Total de visualizações de página

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

O dia em que Nossa Senhora me salvou da morte




Foi no dia 17 de outubro de 1994, uma segunda-feira. Eu tinha terminado de dar aulas na Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, SP, UNESP, e tomei a Via Dutra em direção a Lorena. Uma carreta tombou e atravessou na pista na minha frente e o trânsito parou. Um caminhão carregado de ladrilhos, que vinha atrás de mim, não conseguiu parar, estava chovendo, bateu com tanta força no meu carro, por trás, que o meu banco quebrou e fiquei deitado no carro. Em seguida, o carro girou 180º e ele me pegou pela frente. Naquele instante eu vi o adesivo de Nossa Senhora que estava no vidro da frente do carro, entre o caminhão e eu. Clamei por três vezes a Nossa Senhora Aparecida. Depois de um estrondo meu carro foi jogado no acostamento. Perda total do veículo como se pode ver na foto; era um gol 1994, que não tinha seguro. Eram seis horas da tarde e eu estava rezando o Terço enquanto dirigia, com um tercinho branco que tinha ganhado no domingo, no final de um Maranathá de jovens. O carro se acabou, mas nada, nada, ocorreu comigo, um verdadeiro milagre.
Uma semana antes eu tinha acabado de escrever o livro A MULHER DO APOCALIPSE, mostrando as glórias da Virgem Maria; depois de ter feito a minha Consagração a ela pelo método de São Luiz de Montfort.
Um pouco antes do acidente eu tinha ganhado um adesivo de Nossa Senhora e colocado no vidro da frente do carro. Quando os policiais conseguiram me tirar do carro todo amassado, um deles me perguntou: “Como você está vivo?”. Eu lhe mostrei o tercinho branco em minha mão.
Meu carro não tinha seguro, mas o caminhão tinha seguro contra terceiros, e sem qualquer dificuldade o motorista do caminhão se prontificou a solicitar o seguro; recebi um novo carro, 0 km, gol 1994, azul; nele eu coloquei dois adesivos, um na frente e outro atrás. Senti que o Mal queria me liquidar naquela hora, mas a Virgem Bendita me protegeu. Como disse São João Vianney: “ele não conseguiu pegar o pássaro mas destruiu a gaiola”. Quando contei ao Padre Jonas Abib, ele me disse: ”Deus te deu uma sobrevida para você trabalhar para ele”.
Felipe Aquino.

 

"Onde há vontade, há um Caminho"